quarta-feira, 2 de agosto de 2017

No Brasil, ator de 'Jiraiya' diz que se sentia 'super-herói de verdade'

O seriado japonês "Jiraiya, o incrível ninja" fez sucesso no Brasil entre o final da década de 1980 e durante os anos 90, quando passou na TV brasileira. O programa fazia com que muitas crianças brincassem de imitar os movimentos e lutas exageradas dos episódios. Mais de 20 anos depois de sua estreia no Brasil, "o sucessor de Togakure" - como Jiraiya se apresentava aos inimigos - ainda está nas lembranças de quem tem vinte e tantos anos, inclusive de Takumi Tsutsui. Ele interpretou o jovem Touha Yamaji, que se transformava no habilidoso ninja de roupa vermelha.
saiba mais
"Nunca imaginei que a série fosse fazer sucesso fora do Japão, ainda mais tão longe como no Brasil", conta o ator em entrevista ao G1, em um hotel em São Paulo. "Os brasileiros são muito apaixonados pois ainda gostam muito de 'Jiraiya' após todos estes anos". De passagem para o evento Anime Friends, no qual se apresenta neste sábado (13) e domingo (14), Tsutsui, 49 anos, diz que se sentia um verdadeiro herói ao vestir a roupa do ninja vermelho: "Me sentia um super-herói de verdade. Ainda mais por todos da equipe me chamarem de Jiraiya quando eu estava vestido".
Armadura apertada
Usar a armadura de Jiraiya, contudo, não era uma tarefa das mais simples para o ator: "Ela não era pesada, mas os movimentos eram limitados. Eu não podia levantar os braços, por exemplo, e ela era muito apertada. Durante um ano eu não podia engordar um grama sequer. Fiquei um ano sem comer muito e sem beber cerveja". Ainda sobre a armadura, Tsutsui contou que não conseguia enxergar direito para as cenas de luta e brinca. "Só conseguia olhar para frente. Caso fosse um ninja de verdade, certamente morreria com um golpe pelas costas, porque era impossível de ver quem atacasse por trás".
O ritmo de gravações para o protagonista da série foi intenso - a série teve 50 episódios. Ir ao banheiro estava entre seus problemas. "Gravávamos em uma pedreira na cidade de Yorii, local em que havia autorização para fazer explosões", recorda. "Quando precisava ir ao banheiro, tinha que pegar um carro, ir até o local... E sempre acompanhado, porque tinha que ter outra pessoa para desmontar a armadura e depois montá-la novamente. Então, eu tentava segurar ao máximo para não ficar pedindo toda hora para ir ao banheiro".
Tsutsui fazia cenas de ação, mas a equipe não permitia que ele se arriscasse para não ter que interromper ou cancelar a série. "Tudo o que eu podia fazer eu fazia. Todas as cenas de luta em que apareciam os olhos no capacete era eu mesmo atuando. Cenas de escalada ou saltos tinha que ser um dublê". Mas as famosas cenas de explosões, quando uma grande bola de fogo aparecia na tela da TV, foram feitas pelo próprio ator. "Passava muito calor ali dentro [da armadura] e eu tinha que fazer de pés descalços. Ou seja, nunca eu estava muito confortável, ou passava muito calor ou muito frio".
Ele explica que não tem a armadura que o tornou famoso, "apenas o kimono".
Por conta de direitos autorais da Toei, empresa que produziu "Jiraiya" e outros seriados de heróis japoneses, Tsutsui não pode "ser" o ninja em eventos públicos.
Mulheres chegaram a pedir para Tsutsui se vestir de Jiraiya em encontros amorosos.
A dificuldade de vestir armadura impediu que as fantasias fossem realizadas
Por conta disso, no Anime Friends, ele não poderá usar a armadura. Entretanto, ele irá cantar músicas da série e representar algumas cenas, além de tirar fotos e dar autógrafos para os fãs. Na época do sucesso, mulheres chegaram a pedir para Tsutsui se vestir de Jiraiya em encontros amorosos, mas a dificuldade de vestir a armadura impediu que as fantasias fossem realizadas.
Sucesso longe do Japão
O ator sabia que o ninja Jiraiya fazia sucesso longe do Japão. "Tenho primos em São Paulo. Eles me contavam que o seriado estava passando na TV aqui e fazia sucesso. Eles gostavam muito. Pediam para mandar fotos e vídeos lá do Japão". Esta é a quarta vez que o ator vem ao país, a terceira para eventos, sendo que na primeira, nos anos 1980, veio a passeio para visitar os primos.
O seriado foi gravado no Japão durante 1 ano, entre 1988 e 1989 e, diferentemente de outros heróis que apareciam na TV na época como Jaspion, Changeman, Jiban e Flashman, por exemplo, Jiraiya não tinha armadura de metal e grande poderes especiais. Para Tsutsui, o fato de ter havido grandes "heróis de metal" e, de repente, aparecer um ninja, chamou a atenção do público. "O diferencial de 'Jiraiya' foi mostrar um ninja em vez de um herói de metal. Acredito, também, que mostrar um lado mais humano e uma história centrada na família, mostrar os irmãos unidos, foi o que permitiu ao seriado fazer 
Depois de 'Jiraiya'
Após ser o ninja, Takumi Tsutsui continuou na carreira de ator e participou de outros filmes, seriados e novelas.
Por muitos anos esteve no elenco dos filmes da série "Tsuribaka Nisshi", que, segundo ele, é muito popular no Japão, fez dublagem de filmes e desenhos dos EUA e atualmente faz novelas de época no país. Estas produções, conta, são histórias da época dos samurais, então ele ainda usa roupas parecidas com as da época de "Jiraiya". Jogos de videogame também tiveram sua participação como dublador, mas ele conta que foram poucos.
Questionado sobre o que mais sente falta da época em que era o ninja, Tsutsui afirma que na época achava ruim mas que, hoje, ele sente falta. "Ou eu passava muito frio ou eu passava muito calor durante as gravações, mas sinto muitas saudades daquele tempo".
Hoje, gostaria de ser o pai do Jiraiya"
Takumi Tsutsui
Ser reconhecido nas ruas também faz falta. "Eu ficava muito feliz quando ia ao mercado e as crianças me chamavam de Jiraiya ou as mães explicavam para os filhos que eu era o personagem". Hoje, contudo, ele é reconhecido aqui no Brasil por onde passa, principalmente no bairro da Liberdade, na capital paulista, onde há maior número de japoneses e de fãs de mangás, animes e seriados tokusatsu. Na onda de remakes de filmes e seriados, caso "Jiraiya" fosse refeito, Tsutsui diz que adoraria ver novos episódios do herói, mas não gostaria de ser o ninja por conta da idade. "Hoje, eu gostaria de ser o pai do Jiraiya", brinca.

Essa entrevista foi concedida ao G1 em 2013, mas achei interessante repostar aqui



Nenhum comentário:

Postar um comentário